-- De onde vens e para onde vais ?
-- Venho de Deus na escuridão e para Deus vou na Luz.

segunda-feira, 29 de março de 2010

A Genese segundo Jacob Boheme - 1

A Criação da Luz -Ilustração de Gustavo Doré

PARTE 1

O Abismo e a Vontade Eterna .
A Imaginação e a Idéia eterna.
A Trindade Potencial



O Abismo

Tudo surge do Abismo .
O que é o Abismo ?
Ninguém sabe nem nunca poderá saber , ultrapassa as capacidades humanas por mais elevadas que sejam. Como dizia um mestre ‘’Não vale a pena perder tempo a procurar respostas de assuntos que não nos competem’’.

Segundo Boheme o Abismo é a unidade onde tudo ainda está na indiferença e também lhe chama Mistério Magno ou Caos Eterno ( Caos não significa desordem mas o Ovo donde tudo se cria ) .

Aqui ainda não há terra, causa ou fundamento, nenhum centro, nenhum princípio, nada definido, porque a terra , causa ou fundamento, só podem aparecer quando o diferente, o contraste definido surge .

Aqui não há nem luz nem escuridão, luz nem fogo, nem bem nem mal, aqui não há muito altos e muito pequenos , grossos ou magros.

Aqui é tudo e nada. Tudo é quietude , em que nada se mexe .

Nesta quietude reside toda a Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, que ainda estão ‘incumbados’ , ‘adormecidos’ , ‘não-manifestos’ , aqui reside toda a Criação ainda por criar seja no Céu seja na Terra .

Neste Abismo – Caos não havia ‘consciência ‘ , o Caos é a ausência de Plano.

Se não há um Plano, há o Caos ,a Irracionalidade , a Bestialidade.



A Vontade Eterna

No fundo deste Abismo, deste Magnum Mysterium, existe uma Vontade sem fundo e sem origem , que, no entanto, é impossível igualmente de conhecer melhor no meio desta noite de Indiferença Abissal .

Será esta Vontade ,contudo ,que irá sair do Abismo e se auto-determinará manifestando-se assim como atribuirá a si própria progressivas condições ou determinações .
Em ligação com esta Vontade , Boehme muitas vezes também fala de um grande, enorme Olho , em que todas as maravilhas, todas as formas, cores e figuras se encontram escondidas.
Mas esse olho não vê nada, porque olhando para o infinito ele não encontra nenhum objeto , ainda , pois ainda está Tudo em ‘incubação ‘ .

O Espelho

"A Vontade é fina ou obscura, não é ‘nada’ , por isso, está desejosa de ser ‘qualquer coisa’ , de se manifestar "

Mas essa Vontade só quer , só se deseja a si própria , pois não há nada mais para desejar , ela procura possuir-se a si propria e à sua "Totalidade", e manifestar-se em si mesma.

A primeira coisa que faz é um espelho para si mesma, no qual se pode contemplar.
O que se vê neste espelho?
Para Boehme o espelho não é apenas um espelho da razão , do pensamento, mas também um espelho da imaginação e da fantasia, uma combinação de razão e imaginação o qual reflecte para além de meras formas lógicas.

Para o olho imaginativo que olha para o espelho, ele revela toda a "Totalidade", na verdade, ele reflete uma imagem da Divindade TriUna ela mesmo.

Nota :
Nesta fase Deus ainda não existe per si , ainda não foi criado ,esta Divindade é Deus em potência , vamos denominá-lo assim nesta fase para melhor entendimento dos leitores.

Não há nada no céu ou na terra que não se tenha , no início, manifestado neste espelho.

A Donzela

Bohme designa o Espelho como a visibilidade da Divindade ou como a Eterna Sabedoria ou Sofia , a Idéia Eterna , o Plano .

E ele também chama esta Idéia de Donzela .

É preciso estar preparado para mudanças muito freqüentes de metáforas e símbolos em Bohme!

O que era um espelho, é agora uma Donzela que está, no alvorecer da eternidade, perante a Divindade que se dá a si própria em auto-manifestação, mostrando a si própria as grandes riquezas da Sua glória.

A Idéia Eterna ou Sofia, é descrita como uma Donzela, porque nada gera mas só recebe e reflete a imagem e apesar de co-eterna com a Divindade, não é a Divindade da Divindade mas simplesmente a amiga da Divindade .

É, no entanto, passiva ,impessoal e desinteressada, porque é apenas um instrumento , um Plano para a manifestação da Divindade.

Veremos na seqüência que se vai seguir que a Sofia fornece um contraste com a Natureza eterna (que é também um instrumento da Divindade, embora subordinada à Idéia), e que a Sofia se manifestará a nós, em união com a Natureza eterna, como a Glória da Divindade , constituindo este olhar no Espelho a sua primeira consumação .

" O nada ser faz com que a Vontade deseje ser e o desejo é uma imaginação onde a Vontade no espelho da Sabedoria se descobre a si mesmo e assim se imagina fora do abismo e em si própria , e usando a Imaginação impregna-se dela para fora da Sabedoria, para fora do espelho virgem que é apenas uma mãe, sem gerar, sem vontade. " "Se não houvesse o espelho da Sabedoria , então não haveria Fogo ou Luz a serem gerados , tudo parte desse espelho ".

O Plano no Espelho

O espelho da Divindade não fica completo de início, mas aperfeiçoa-se durante o próprio processo de espelhamento.

O primeiro passo é um esquema abstrato que se irá tornar progressivamente cheio de vida dinâmica e riqueza de cores.

A Vontade sem fundo e incompreensível , que é só uma, não é nada e ainda é tudo, apreende e descobre-se , e a unidade contempla-se como trindade, e a trindade contempla-se como uma unidade.

Assim, a Vontade Eterna , sem princípio, que não é nem mal nem bem, gera em si o eterno Bem como uma Vontade compreensível e primordial ,que é filha e co-eterna da Vontade abissal e sem fundo (Divindade da Divindade) .
Assim a Vontade insondável e sem fundo se torna eternamente visivel através desta geração de uma Vontade compreensivel na forma do eterno Bem.
E a primeira Vontade se chama Pai, e a segunda , a concebida ou gerada se chama Filho.

Nota :
Aqui começam a ocorrer as divisões da Vontade Eterna que se irão manifestar ou produzir em cadeia criando multiplicidade seja no Céu seja na terra .
Aqui temos a 1º divisão em Vontade Original e Manifesta , na 2º parte vamos ver não uma divisão mas a uma geração de duas Naturezas Contrastantes , a Natural ( Trindade Tenebrosa-Fogo com base na própria Vontade Eterna original sem fundo ) e a Espiritual (Trindade Luminosa ou Luz activada a partir da Natural e já com uma base de manifestação onde existe a Trindade Real , Pai ,Filho ,Espirito Santo).



Esta saída da Vontade sem fundo,através da Vontade gerada é chamada de Espírito, pois cria um movimento , uma vida da Vontade, como uma vida de Pai e do Filho dando origem à Sabedoria-Sofia ou Visibilidade da Divindade, em que Pai, Filho e Espírito ( não um apenas , mas a tríade toda) se contemplam e descobrem.

Boehme desenvolve este tema , dizendo que todas as energias e forças do Pai estão concentrados no Filho, mas o Espírito sopra-as e espalha-as para a frente ", assim como quando os raios do sol saiem e irradiam para fora do circulo de fogo e se manifestam como o poder, a virtude, ou a influência do sol na imensidão do espaço . "

Na Visibilidade da Divindade ou Sofia, o Espírito da Divindade, joga com as potências irradiadas como com um único poder ( a multiplicidade é, por agora restaurada à unidade).

A Sofia não é grande nem pequena, não tem começo nem fim, mas é infinita, e sua forma é inexprimível.

Ergue-se diante da Divindade como a Virgem , imóvel e silenciosa (e, portanto, não deve ser confundida com o Filho, que é a Palavra).

Também não é para ser confundida com o Espírito, pois é passiva, enquanto o Espírito é activo.

Nesse espelho da Santíssima Trindade, contemplam-se todas as maravilhas da eternidade (as riquezas da glória da Divindade), sem começo nem fim.

Três Operações vs Três Pessoas (A Trindade Potencial)

Neste primeiro espelhamento nós ainda não atingimos o Deus Vivo propriamente dito.

"É uma vida, mas não é vida, uma figura de vida e uma imagem da vida" .
A Divindade contempla-se como um potencial de ser tornar trinitária e contempla no espelho também as glórias ou milagres potenciais , mas que ainda não foram realizados.

A Divindade está absorvida numa contemplação mística, ainda sem distinções ou contrastes. Boehme expressamente afirma que ainda há apenas três operações, mas não três pessoas , o que significa, em linguagem mais clara, que, até agora, não temos verdadeira auto-consciência.
Para ele Trindade real e verdadeira auto-consciência são conceitos inseparáveis.

Aqui ainda não há atributos divinos, pois os atributos só podem ser existir onde há um outro, um contraste, através da qual eles podem ser qualificados.

Aqui ainda tudo é apenas uma Magia, a simples imagem espelhada sem realidade.
Este espelhamento, que é vida e não é vida, um espírito e ainda não tem espírito, é, portanto, ainda não auto-consciência real pessoal, apenas uma vaga e sonhadora auto-consciência.

A Donzela está diante da Divindade como se estivesse em uma visão, um sonho da manhã da Eternidade, que profeticamente Lhe revela aquilo em que Ele se pode tornar e aquilo que Ele pode fazer a si mesmo.

A Natureza
Eterna

Como pode então a Divindade se tornar o Deus Vivo e o TriUno real?

Segundo Boehme, isso só acontece por meio da Natureza Eterna, que, como um meio de manifestação, proporciona um contraste com a Sofia, a Idéia eterna.

Quando a Divindade, no prazer da contemplação tranquila, contempla as maravilhas, que a Sofia Lhe apresenta no espelho, a Vontade cresce ansiosa, e os desejos que o que vê no espelho passe a ser algo mais do que uma imagem, que se torne real, como quando um artista deseja realizar a visão, a imagem que se revela a ele em sua alma interior.

Nota :
Quando a Divindade se contempla no espelho (= Sabedoria, = Sofia) , toma 'consciência' de Si.
A esta tomada de consciência (pela Divindade ), chama-se a Criação de Deus.
Mas Deus já existia antes. É esse 'antes' que Ele vê no espelho.
Assim, a Divindade não se cria a partir do nada (ex nihilo) porque é eterna , Ela apenas toma 'consciência' de Si.
Ou seja, a Divindade cria-se na Sua 'consciência'. Porque Ela, antes de se ver no espelho, não tinha uma imagem de Si na Sua consciência (porque nunca se tinha visto a um espelho).

E não só a Vontade fica ansiosa, mas a própria Sabedoria Sofia, força esse desejo e anseia pela manifestação das maravilhas da Sabedoria, embora ela mesma seja todas essas maravilhas.

Nesta união da alegria da contemplação e do desejo, da imaginação e do desejo, a Natureza Eterna escondida em Deus é despertada, e agora vem para a frente como o contraste ou o Contrarium da Idéia , da Sofia .

A geração da Natureza Eterna depende da magia do desejo, e é o poder da transformação da não-existência em existência, sem a utilização de meios materiais.

Toda a magia efetiva depende do desejo e imaginação, e tudo aquilo que nasce e vem a ser , surge, em última instância, do desejo e da imaginação.

A Imaginação

É um dos aspectos mais característicos de Boehme que ele interpreta o Espírito , mesmo o Espírito absoluto da Divindade como desejo e imaginação, vontade e Imaginação .

Ele está aqui em oposição diametral para aqueles que excluem totalmente a Imaginação na Divindade.

Uma Divindade, destituída de Imaginação, que é apenas razão pura, puro pensamento, inteligência crua e nua, é, para Bohme, um ser abstrato, e não um espírito de vida real.

E, sem dúvida, uma Divindade destituída de Imaginação não poderia ter produzido um mundo como o mundo que conhecemos, como o mundo em que vivia Bohme e onde teve as suas intuições, na medida em que este mundo, tanto na sua natureza e história, é moldado e influenciado pela fantasia , está ativamente permeado pelo principio do individuo que se manifesta em uma riqueza inesgotável das formas individuais que são podem ser convertidas em conceitos gerais.

Mas não poderia haver Imaginação na Divindade a menos que já houvesse a Natureza Eterna Nela , e Boehme, pelo próprio fato de que fala de um espelho da Imaginação, já aponta para a Natureza Eterna como uma potência na própria Divindade.
A Imaginação é, precisamente, sob a forma de idealidade, o elo de ligação entre o Espírito e a Natureza.

Precisamente porque a Divindade é a unidade do Espírito e da Natureza, a ela deve ser atribuida não apenas a razão mas também a Imaginação , sendo a Imaginação concebida como iluminada e irradiada pela Sofia .

A Psicologia de Boehme (Vontade e Imaginação )

Segundo Boehme, a Vontade é a coisa mais íntima do homem, o princípio da nossa personalidade, e a Imaginação como forma modeladora é o seu complemento necessário sem excluir a razão e a Sabedoria .

Não se pode ou odiar ou amar o puramente abstrato, mas somente o que se apresenta em uma imagem e forma.

Nenhum acto da Vontade é possível sem a Imaginação.

A Vontade deve ter um objetivo , mas só com a Vontade permanece apenas um objectivo futuro , para ter realidade esse objectivo tem de ser retratado,enquadrado pela imaginação .

A Vontade deve determinar-se de acordo com motivos, amor ou ódio, a esperança ou o medo, bem ou mal, e todas essas coisas são imaginações.

A diferença entre as pessoas a nivel humano depende aonde colocam a sua imaginação ou seu desejo, a sua aspiração, ou a sua vontade que é inseparável da imaginação.
Se o homem é criado à imagem de Deus, então uma relação correspondente deve também ser encontrada na Divindade (na escala, no entanto, de eternidade e perfeição absoluta).

A Potência Espirituosa

Por conseguinte, a Natureza, que estava escondida em Deus é despertada e entra em atividade,por meio do desejo e da imaginação.
Esta Natureza Eterna não deve ser interpretada como Matéria na Divindade ,pois a matéria não é nada original, mas simplesmente um produto .

Bohme define a Natureza Eterna como uma Potência Espirituosa.

Esta Potência Espirituosa é impessoal e desapegada, ainda, de acordo com Boehme, é uma Vontade que irradiou e se separou da unidade, uma Vontade que se multiplica em uma infinita plenitude de poderes, uma fonte viva de forças, que derrama em uma infinidade de vontades particulares.

Pois a vida é constituída de muitas vontades.

Cada uma das forças da Natureza Eterna tem a sua própria vontade, e cada uma dessas vontades é contra a outra.

A vida seria hostilidade pura, a menos que todos esses poderes de vida tivessem um Senhor , sob cujo controle eles se subordinam e que é capaz de quebrar a sua resistência e vontades próprias .

Mas na Natureza Eterna há apenas uma vontade cega e não auto-consciente.

O Obscurecimento

Com a irrupção da Natureza Eterna ocorre um obscurecimento que fornece um contraste com a luz pura e espiritual .

Mas esse obscurecimento é uma condição necessária, a fim de que a luz possa ter sucesso em manifestar o seu esplendor.

Podemos também dizer que, com a Natureza Eterna, passa a haver contrastes .

O fino é espiritualidade pura, o grosso é a Natureza e é a condição em virtude da qual o fino ou seja o Espírito, pode ganhar a vida , plenitude e poder que não tinha antes de surgir a Natureza Eterna. .

E agora, pela primeira vez, temos reais contrastes e reais manifestações .

Os Contrastes

Bohme nunca se cansa de reforçar a necessidade de contrastes tão necessários à vida e à manifestação.
Todas as coisas , terrenas e diabólicas , celestes e divinas, são compostas de Sim e Não.

A eterna vontade de Unidade é o eterno Sim, mas isso sim não pode se manifestar sem que o eterno Não , que prevê uma contradição com a Unidade, e postula a multiplicidade e variedade.
E também não podemos afirmar que o Sim e Não são separados, que são duas coisas ao lado uma da outra .

Eles são apenas uma coisa, mas eles se separam em dois principios , em dois Centros , cada qual com vontades e energias próprias .

A Vontade Eterna tem de sair para fora de si e chegar ao particular , caso contrário, não havia nenhuma forma ou inteligibilidade, e todos os poderes seriam simplesmente uma só potência.

Inteligência é baseada na multiplicidade e variedade, onde cada propriedade contempla e testa a outra.

Uma coisa não pode desejar nada de si a não ser que se duplique pois não se pode perceber a ela mesma se está em unidade simples mas apenas se está na dualidade.

Sem contraste, há apenas uma vontade de emissão perpétua para diante, mas não de incorporação e de retrocessão, em si mesmo.

Sem comentários:

Enviar um comentário